Que a gente não se cale jamais diante desses atos de intolerância e extremismo religioso

Publicado em30/09/15 13:01 Atualizado em30/09/15 16:10

Estudante agredida por intolerância religiosa dentro de escola não quer voltar ao colégio

Agnes foi agredida por uma colega de escolaAgnes foi agredida por uma colega de escola Foto: DivulgaçãoBreno Boechat
Tamanho do texto A A A

Há um mês, a adolescente Agnes, de 14 anos, não quer voltar ao Colégio Estadual Alfredo Parodi, em Curitiba, por vergonha. No dia 31 de agosto, a jovem foi agredida por uma colega de turma, dentro da escola, por intolerância religiosa. A motivação para a agressão foi uma foto, postada no dia anterior em uma rede social, em que a menina aparece ao lado da mãe e de uma amiga, as três do Candomblé.
— A gente ia levar uma amiga no aeroporto e tirou uma foto com ela lá. A Agnes foi marcada na foto e viram no Facebook dela. No dia seguinte, na primeira aula, uma menina disse que não queria ficar perto da Agnes porque ela era da macumba. A Agnes começou a explicar o que era, mas depois falaram que iam chutá-la, porque ela é da macumba. A menina foi e chutou a Agnes, que caiu com a cabeça na parede — explica a mãe da adolescente, Dega Maria Pascoal.

Ainda segundo a mãe, desde o episódio, a adolescente não quer voltar à escola, assim como o irmão dela, de 11 anos. Dega Maria conta ainda que só soube da agressão quando foi buscar a filha no colégio e até hoje não recebeu qualquer assistência.
— Cheguei no colégio para buscar meus filhos e fiquei no portão esperando. Vi que eles não saíam do colégio e fui perguntar se tinham visto a Agnes. Me falaram: “Tia, a Agnes está machucada lá dentro”. Entrei para dentro da escola e vi a minha filha com o rosto machucado, sangrando, um galo enorme da testa. E ela me falou: “Essa menina me chamou de macumbeira. Disse que a senhora não presta, que a senhora é uma doença” — descreve a mãe, que registrou o caso na delegacia, depois de levar a filha até um hospital.
— Passaram uns dias e eu fuim em uma reunião, mostrei foto, coloquei no Facebook. Mandaram um assistente social para conversar com a Agnes e me falaram para marcar uma psicóloga. Só isso. Já tem mais de um mês e até agora ninguém fez nada. Ela está deprimida. Todo mundo viu o que aconteceu dentro do colégio. E o pior é que foi dentro. Eu tinha preocupação de que esse tipo de coisa acontecesse fora da escola, por isso que ia buscar meus filhos todo dia, mas foi dentro — relata Dega Maria.

A menina teve ferimentos em todo o rostoA menina teve ferimentos em todo o rosto Foto: Divulgação

Agnes não quer voltar à escola após a agressãoAgnes não quer voltar à escola após a agressão Foto: Divulgação
A mãe conta ainda que essa não foi a primeira vez que ela e Agnes foram vítimas de intolerância. Dega Maria lamenta que agressões desse tipo sejam frequentes, por falta de respeito à religião dos outros.
— É comum isso. Uma vez fomos a uma padaria comprar alguma coisa e fomos perseguidos, eu e meus três filhos, por um carro com rapazes de camisa de “exército de Jesus”. Dessa vez agora eu preferia que tivesse acontecido comigo, seria diferente. A Agnes está sofrendo muito, está muito magrinha, com o rosto machucado, com vergonha, sem vontade de voltar ao colégio — lamenta.

A menina foi atendida no hospital após as agressõesA menina foi atendida no hospital após as agressões

Agnes é seguidora do CandombléAgnes é seguidora do Candomblé Foto: Reprodução / Facebook
O caso de Agnes gerou revolta na internet, com grupos religiosos manifestando repúdio à intolerância religiosa. A Casa de Oxumarê, uma das mais reconhecidas instituições do Candomblé de Salvador se pronunciou, nesta terça-feira, sobre o caso. “Casos como esse devem ser rechaçados com o máximo vigor! Assim, a Casa de Oxumarê, na sua histórica e incansável luta contra a intolerância religiosa, se solidariza com o sofrimento experimentado pela menina Agnes e, sobretudo, repudia veementemente tais atos de intolerância religiosa”, diz parte da nota.
A Secretaria de Estado da Educação do Paraná informou que “a direção do Colégio Estadual Alfredo Parodi, em Curitiba, tomou as medidas cabíveis em relação ao desentendimento ocorrido entre as alunas do 6º ano do ensino fundamental. Os responsáveis foram chamados para esclarecimentos e encaminhamentos. A respeito do caso isolado de preconceito religioso, as escolas recebem orientações e têm autonomia para promover as atividades de caráter pedagógico pautadas no diálogo para o enfrentamento da discriminação, do preconceito e da violência”. Segundo a secretaria, “a continuação dos estudos da aluna depende da documentação que deve ser enviada pela família, mas não houve retorno por parte desta até o momento”.

Casa de Oxumarê, da Bahia, repudiou o ato de intolerância religiosaCasa de Oxumarê, da Bahia, repudiou o ato de intolerância religiosa

Dega Maria, a mãe de Agnes, diz que agressões motivadas por intolerância religiosa são frequentes em CuritibaDega Maria, a mãe de Agnes, diz que agressões motivadas por intolerância religiosa são frequentes em Curitiba Foto: Reprodução / Facebook

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/brasil/estudante-agredida-por-intolerancia-religiosa-dentro-de-escola-nao-quer-voltar-ao-colegio-17650415.html#ixzz3nGSiHImE

Publicado em: Sem categoria

Comente se for um comentário instrutivo ...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s